Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Margarida

Blog da Margarida

16
Nov17

Os flagelos fotográficos

Eu sei que tenho falado no assunto recorrentemente, mas afinal, todos escrevemos sobre aquilo que nos inspira, certo? Podia falar sobre o vírus gripe e porque me recuso a ser vacinada, mas hoje o tema cai sobre algo que tenho visto ser mais "contagioso": a gravidez. Estou naquela altura da minha vida, em que olhando a minha volta, só vejo amigos a casar e a ter filhos, e acho que ninguém imagina o quão feliz eu fico quando recebo uma novidade destas, seja de casórios, babies ou baptizados. Português que é português gosta é de festa!

Mas agora entre nós que ninguém nos ouve: há realmente necessidade de fazer fotografias de grávidas de fim de tempo no meio do rio vestidas de princesa ou com um tutu cor de rosa? Ou no meio da floresta com um ar perdido no seu vestido de gala? Há necessidade de obrigar o pai da criança a despir-se também para a foto da praxe em que estão os dois sem camisola e ele de joelhos, lhe beija a barriga? 

Eu entendo que se queira guardar o máximo de memórias dessas alturas tão especiais, e que tentam fazê-lo com um toque artístico fotográfico (e há quem consiga fazer fotos de nos deixar sem respiração), mas eu tenho de vos dizer a verdade: a maior parte das fotos não chegam nem a roçar o artístico, ficam apenas uma valente parolada em formato de álbum digital. De todas as sessões de grávida que tenho visto - e são muitas! -, vi apenas um ou duas que ficaram realmente uma obra de arte.

Claro que as fotos passam directa a foto de capa e de perfil nas redes sociais, e toda a gente comenta (especialmente familiares e amigos próximos porque são socialmente pressionados a fazê-lo e a dizer o tão "fantástico" que ficou) mas ninguém quer ver fotos da grávida e do seu marido semi-nus. Acreditem em mim.  

Que toda a gente faça as fotos que quiser e mais algumas, que as guarde de recordação mas juro que não entendo o porquê de partilhar coisas tão privadas com o mundo. 

São por norma também estes os causadores do flagelo dos bebés com cara de emoji, os pais nem são carne nem peixe, não sabem se querem mostrar a cria ou não, mas deixo isso para falar outra altura. 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D