Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Margarida

Blog da Margarida

31
Jan18

31 de Janeiro

Hoje, 31 dias depois de todas as promessas e desejos feitos na última noite de 2017, acaba o primeiro dos doze meses do ano. E o que é que vocês  já fizeram para atingir os vossos objetivos? Fizeram mais exercício? Melhoraram a alimentação? Abriram uma conta-poupança? Deram inicio àquele projeto tão desejado?

Até ao momento, eu já:

  • cortei o meu cabelo pelos ombros, sem arrependimentos;
  • pus o mau feitio de lado e dei o braço a torcer numa birra familiar antiga que me andava a consumir demasiada energia;
  • ofereci-me um carro novo como recompensa pelo trabalho e objetivos atingidos em 2017;
  • atingi as minhas metas de exercício diário quase todos os dias;
  • iniciamos o processo de compra de um apartamento.

 

 

Não sei se para vocês funciona, mas pôr uma imagem com uma frase motivacional como fundo do telemóvel/computador ajuda-me a relembrar todos os dias dos meus objetivos e que a mudança parte de mim, que se repetimos as nossa ações ano após ano, nada vai mudar. Afinal, se usarmos sempre a mesma receita, não podemos esperar um bolo diferente, certo? 

30
Jan18

Para bem dos meus tornozelos

Diz a lenda que antigamente era preciso arranjar todos os pares de calças comprados para que ficassem à nossa medida. Pouco a pouco, isso foi mudando até as calças deixaram de trazer um metro de tecido extra em casa perna, e por isso mesmo, eu deixei de precisar de fazer arranjos para subir as bainhas. Fui feliz durante uns anos, em que era só comprar e usar, sem passar pela espera de uma semana na costureira.

O meu problema neste momento é que ainda ninguém disse ao senhores que fazem calças que podem parar de diminuir o comprimento das mesmas porque já não encontro um único par à venda que me tape os tornozelos! Adoro este estilo no Verão, seja com sapatilhas, sandálias ou sabrinas, mas de Inverno não tenho grande opção: ou ando cheia de frio com os tornozelos à mostra ou ando de botas de cano alto para esconder a miséria da falta de pano. 

Senhores que fazem as calças, eu sei que se pouparem 10cm a cada unidade, em 10unidades conseguem 1m de tecido extra, mas por favor, deixem lá de ser forretas pelo bem dos tornozelos das pessoas friorentas.

29
Jan18

Conversas que se ouvem na minha casa #3

Em frente ao espelho, enquanto me vestia:

- É só ir mais vezes ao ginásio e nota-se logo...

- Pois é, ficamos logo mais inchados.

- Ah??? Espera lá... Eu ia dizer que estava mais magra!

- Ahhhh, desculpa não ouvi bem. Pensei que te estavas a queixar de estar mais gorda por teres faltado duas vezes esta semana...

 

28
Jan18

Onde? Como? Quando?

Acordei com os beijos da cadela, que me pedia para a levar à rua. Olhei para o lado dele na cama e não o vi. "Já deve estar a preparar o pequeno almoço", pensei.

Fui até à cozinha, abri a porta para deixar a Camila ir ao jardim e olhei para o relógio na parede: 6h. 

6h e ele não está em casa. Não me disse que tinha de sair mais cedo hoje."Se calhar foi à garagem fazer qualquer coisa, deixa ver se levou a chave do carro ou se ainda volta." Nada de chaves, nem telemóvel em casa.

"Mas tu queres ver que ele saiu sem se despedir?", seguido de "Oh! Será que aconteceu alguma coisa?". Os gatos! Estão todos em casa? Corro para os contar: um no sofá e dois na cama, tudo bem por aqui.

Decidi parar de imaginar e ligar para perceber o que tinha feito o homem sair de casa tão cedo sem me avisar. Pego no telemóvel e.... espera lá... mas aqui diz que são 18h! "Mas que dia é hoje, afinal?", era sábado. Sábado, 27 de Janeiro, 18h no telemóvel são as mesmas 6h do relógio analógico da cozinha, ainda que a escuridão da noite não me tenha deixado perceber se era de manhã ou de tarde. O moço? tinha ido para o futebol, como é habitual. 

Perder completamente a noção do tempo e do espaço após uma sesta de 30minutos é sinal que estamos realmente a precisar de abrandar o ritmo e descansar como deve de ser.

17
Jan18

As passas passaram-se!

Já aqui falei umaoutra vez sobre a minha única superstição no que toca a desejos e sortes nesta vida: as uvas passas da passagem de ano. É algo que faço desde que me lembro, e a única coisa que mudou com o tempo foram os desejos pedidos, porque muito sinceramente, com a idade passei a perceber que se tivermos amor e saúde, o resto são peanuts.

Contudo, de tanto insistir que os desejos se realizam mesmo, peguei esta mania à família toda e este ano, até o mais cético dos céticos (senhor meu esposo) se rendeu e acabamos por ter a conversa que vos contei a semana passada

Agora vocês querem ver, que só nos primeiros 2 meses do ano ele vai ter 75% dos desejos realizados? Por este andar, dava-me jeito mais uma passagem de ano ali em meados de Junho para dar um adianto à minha vida...

12
Jan18

Sabemos que é amor

Poderia-me orgulhar de muita coisa que fiz da minha vida, mas esta é de todas elas o meu maior orgulho: os treze anos passado com o senhor meu esposo. Pelo amor que nos une, mas também pela perseverança, pela coragem, pelo sacrifício, pela vontade de manter esse amor durante tanto tempo sem nunca desistir.

Dos meus 28 vividos, quase metade já foram com ele. Crescemos juntos, passamos de "aborrescentes" a jovens adultos, e mais tardes a adultos de verdade com todas as vantagens e responsabilidades que isso implica: ele até passou a gostar de gatos, e eu passei a simpatizar com o Benfica.

Tanta coisa se passou neste tempo todo, já vivemos tanta coisa juntos e ainda são sempre os pormenores que me amolecem o coração. Cada vez que eu mexo nas orelhas repetidamente e ele me pergunta se estou com sono (porque não perdi esse vício desde criança), ou quando estou rabugenta ele me pergunta se já comi (porque fico insuportável com fome), ou cada vez que ele acorda mais cedo para passear a cadela e fazer o pequeno-almoço para eu poder dormir até mais tarde, penso que devo ter feito  alguma coisa muito boa noutra vida para merecer um amor destes. Digo "destes", dos que são para sempre.

 

10
Jan18

Com papas e bolos...

 

E o meu fígado descobriu hoje que andava a ser enganado desde o Natal. Decidiu fazer uma tempestade num copo de água só porque comi umas fatias de bolo-rei a mais. E uns doces de Natal. E umas sobremesas na passagem de ano. E mais uns chocolates que ainda andam lá por casa. 

Ele me andava a avisar à uns dias, provocando-me náuseas, assim como quem não quer a coisa. Como foi fortemente ignorado, hoje atirou com tudo para cima de mim num ato de revolta, e não me vou alongar com sintomas sórdidos ou pormenores gráficos porque imagino que todos vocês já sofreram o mesmo pelo menos uma vez na vida. 

Vamos lá fazer as pazes, Sr. Fígado. Tenho-o como um amigo para a vida, daqueles mesmo insubstituíveis. Prometo voltar à rotina e para compensar, os próximas dias serão apenas a sopas e chás!

 

09
Jan18

Fazer o bem sem olhar a quem

Não sou uma pessoa de pessoas, nem uma pessoa de causas. Sou uma pessoa de animais, de casos particulares que me fazem tirar o rabo do sofá que de outra forma nunca faria. 

Penso imensas vezes na sorte que temos por existirem pessoas de pessoas, que se dão, que sentem pena e afetos por desconhecidos - eu não sou assim, não porque escolhi não ser assim, mas simplesmente não o sou. Sou demasiado racional no que toca às pessoas, penso sempre num outro lado, na possível falta de vontade e esforço para sair de determinadas situações, nas burlas pessoais ou associativas, mesmo sabendo que a vida é tramada e amanhã posso ser eu a precisar. 

Sábado passei o dia no hospital com uma tia idosa, numas urgências caóticas: ficamos lá 7 horas até sermos atendida mas, no final não saí - como faço sempre questão de fazer - sem agradecer ao enfermeiro, olhos no olhos, pela simpatia e atenção apesar do stress ali sentido.

Admiro de verdade aquele trabalho porque eu não poderia ouvir queixas, reclamações, ver todo o sofrimento que vi ali durante tantas horas, todos os dias, e acho que não há forma de agradecer suficientemente a enfermeiros, bombeiros, voluntários, e todos aqueles que tem sempre uma palavra gentil para aligeirar os momentos mais duros. Quem o faz, faz-lo de coração; não é algo que se aprenda.

Contudo, tal como todos os animal lovers ligados de alguma forma a resgates e adopções de animais, ouço frequentemente que não devia praticar este tipo de ajuda, que há mais pessoas a precisar. Que pessoas são e serão sempre mais importantes que os animais. Que com o dinheiro daquele saco de ração podia ter comprado mantimentos para uma família ou leite para um bebé carenciado.

A verdade é que estas pessoas que criticam, na maior parte das vezes, não faz absolutamente nada para mudar a vida de ser alguma à face da Terra. Nem têm de o fazer, se não tiverem vontade, mas não há razão alguma para criticar quem se move por uma crença diferente, ou mesmo de fazer acreditar que há causas mais dignas que outras.

Que haja mais gente a apagar fogos, a distribuir sopas pelos sem abrigo, a ler para idosos, a distrair crianças em alas pedriátricas, a apoiar associações de toxicodependentes, a consolar e conversar com quem precisa. Que quem nasceu com essa vontade, o faça com tanto carinho como os voluntários das associações de animais limpam canis e gatis imundos. 

Que se faça mais, sem criticar quem faz alguma coisa de bem, seja ela qual for. 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D